Como Reduzir Custos de Produção: Guia Completo!

PUBLICADO POR:

Giovanna CipulloGiovanna Cipullo

ATUALIZADO EM:

24 de Junho de 2024

Reduzir custos de produção é uma das principais prioridades para qualquer indústria que busca manter-se competitiva no mercado atual. Com a crescente pressão por eficiência e a constante evolução tecnológica, as empresas precisam encontrar maneiras inovadoras de minimizar seus gastos sem comprometer a qualidade de seus produtos ou serviços.

Neste artigo, vamos explorar um guia completo sobre como reduzir custos de produção em uma indústria. 

Nosso objetivo é fornecer insights valiosos que ajudarão sua empresa a identificar áreas de melhoria e implementar ações concretas para reduzir despesas operacionais. 

Mas, antes de entrar em detalhes, veja o roteiro do que você vai aprender:

  1. Identificando o que compõe seus custos de produção
  2. Analisando seu desempenho atual para definir as melhores estratégias
  3. Entendendo e se aprofundando nos principais fatores envolvidos nos custos de produção
    • Tecnologia
    • Controle de estoque
    • Manutenção
    • Treinamento de equipe
    • Eficiência energética
    • Metodologias de gestão de processos famosas
    • Sistemas de gestão (ERP) especialistas

O que são e o que compõem os custos de produção?

Os custos de produção representam todos os gastos envolvidos na transformação de matérias-primas em produtos acabados. Esses custos podem ser classificados em várias categorias, incluindo:

  • Custos de matérias-primas
  • Custos de mão de obra
  • Custos de energia
  • Custos de manutenção
  • Custos indiretos

Entender a composição desses custos é fundamental para identificar oportunidades de redução e otimização. 

Dessa forma, com uma análise detalhada e a aplicação de estratégias adequadas, é possível minimizar desperdícios, aumentar a eficiência e, assim, reduzir significativamente os custos de produção. 

Identificação e análise de Custos de Produção

Para iniciar a redução dos custos de produção, o primeiro passo essencial é a identificação e análise detalhada desses custos. Esse processo envolve o mapeamento de todas as despesas associadas à produção e a avaliação de seu impacto na eficiência e lucratividade da empresa. Aprenda como fazer isso na prática:

Mapeamento de custos

O mapeamento de custos é uma etapa crítica para compreender onde e como os recursos estão sendo utilizados. Essa prática permite identificar todas as despesas relacionadas à produção, categorizá-las e avaliar sua importância. Os principais passos para um mapeamento eficaz incluem:

  1. Identificação de Componentes de Custo:
    • Materiais diretos: Inclui matérias-primas e componentes utilizados na fabricação dos produtos.
    • Mão de obra direta: Salários e benefícios dos funcionários diretamente envolvidos na produção.
    • Custos de energia: Gastos com eletricidade, gás e outras fontes de energia utilizadas nos processos produtivos.
    • Custos de manutenção: Despesas com a manutenção e reparo de máquinas e equipamentos.
    • Custos indiretos: Inclui despesas gerais como aluguel de instalações, seguros e custos administrativos.
  2. Classificação de Custos:
    • Custos fixos: Despesas que permanecem constantes independentemente do volume de produção, como aluguel e salários de supervisores.
    • Custos variáveis: Despesas que variam diretamente com o nível de produção, como matérias-primas e energia.
    • Custos semi-variáveis: Custos que possuem uma parte fixa e uma variável, como a manutenção preventiva e corretiva de equipamentos.
  3. Ferramentas de Análise:
    • Custeio baseado em atividades (ABC): Método que atribui custos a produtos e serviços com base nas atividades que consomem recursos. Esse método ajuda a identificar atividades que não agregam valor e que podem ser eliminadas ou otimizadas.
    • Análise de valor: Processo de avaliar a função de um produto ou serviço para garantir que ele cumpra seus objetivos ao menor custo possível.

Análise de desempenho

Após mapear os custos, é crucial analisar o desempenho da produção para identificar áreas de melhoria. Para isso, é preciso fazer a definição de Indicadores Chave de Performance (KPIs) e o benchmarking.

  1. Definição de KPIs
    • Custo por unidade produzida: Mede o custo total dividido pelo número de unidades produzidas.
    • Eficiência operacional: Avalia a relação entre a produção real e a capacidade total.
    • Taxa de desperdício: Mede a quantidade de material desperdiçado durante a produção.
    • Tempo de ciclo de produção: Tempo total necessário para produzir uma unidade do produto.
  2. Benchmarking
    • Interno: Comparação de diferentes departamentos ou linhas de produção dentro da mesma empresa para identificar práticas mais eficientes.
    • Externo: Comparação com empresas concorrentes ou líderes do setor para identificar padrões de excelência e oportunidades de melhoria.
  3. Análise de Pareto
    • Aplicação do princípio de Pareto (80/20) para identificar os 20% de causas que são responsáveis por 80% dos problemas de custo. Isso ajuda a focar nas áreas com maior potencial de impacto.

Implementação das ferramentas de análise

Não dá para fazer uma análise de custos de produção sem ajuda de ferramentas especializadas. 

A implementação de ferramentas de análise de custo, como o ABC, pode revelar atividades que consomem muitos recursos sem agregar valor ao produto final. Ou seja, isso permite que a empresa tome decisões informadas sobre onde cortar gastos ou investir em melhorias.

Sem o apoio dessas ferramentas, fica quase impossível definir o que de fato precisa de ajustes para reduzir os custos. 

Por exemplo, ao aplicar o ABC, uma empresa pode descobrir que uma grande parte dos custos está associada ao transporte interno de materiais. Ao redesenhar o layout da planta para minimizar o transporte ou investir em sistemas automatizados de movimentação, a empresa pode reduzir significativamente esses custos. 

Como reduzir custos de produção na prática?

Agora que você já sabe o que são custos de produção e como analisá-los, está na hora de entender as estratégias de redução na prática. 

Vale lembrar que diminuir os custos de uma indústria exige uma força tarefa multidisciplinar que envolve uma série de setores, processos e atividades. Vamos lá!

Automatização

A automatização é uma estratégia que permite que as empresas otimizem seus processos de produção, aumentem a eficiência e reduzam os custos. Ela envolve o uso de tecnologia para realizar tarefas que anteriormente eram executadas por humanos.

Veja o que as automações podem oferecer para o cenário industrial:

  • Aumentar a produtividade: Pois as máquinas podem trabalhar 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem precisar de pausas ou férias. Isso pode ser especialmente útil para tarefas repetitivas que podem ser tediosas para os humanos.
  • Melhorar a precisão e a consistência: As máquinas podem realizar a mesma tarefa repetidamente com o mesmo nível de precisão, o que pode reduzir a probabilidade de erros.
  • Economizar custos: Embora haja um custo inicial para a implementação da tecnologia, as economias a longo prazo em termos de salários e benefícios para os funcionários podem ser significativas.
  • Usar a mão de obra humana estrategicamente: Automatizações liberam os funcionários para se concentrarem em tarefas mais estratégicas e de maior valor. O resultado disso é um aumento na satisfação no trabalho e a uma maior retenção de funcionários, além do aumento da produtividade geral.

Outras tecnologias importantes

Além da automatização, outras tecnologias podem contribuir significativamente para a redução de custos de produção:

  1. Internet das Coisas (IoT):

    • Monitoramento de equipamentos: Sensores IoT podem monitorar o desempenho das máquinas, identificando falhas e necessidades de manutenção preventiva.
    • Gestão de estoques: Sensores IoT podem monitorar os níveis de estoque em tempo real, otimizando o reabastecimento.
  2. Inteligência Artificial (IA):

    • Previsão de demanda: Algoritmos de IA podem prever a demanda futura, ajudando a ajustar a produção de acordo.
    • Manutenção preditiva: IA pode analisar dados de máquinas para prever falhas antes que ocorram, reduzindo o tempo de inatividade.
  3. Impressão 3D:

    • Prototipagem rápida: A impressão 3D permite a criação rápida de protótipos, reduzindo o tempo e o custo de desenvolvimento de novos produtos.
    • Produção sob demanda: Produza peças e componentes sob demanda, minimizando estoques e desperdícios.
  4. Big Data e Análise Avançada:

    • Otimização de processos: Analisar grandes volumes de dados para identificar padrões e otimizar processos produtivos.
    • Tomada de decisões informada: Utilizar análises avançadas para tomar decisões baseadas em dados concretos e precisos.

Controle de estoque

Estudos indicam que uma gestão de estoque eficiente pode reduzir os custos de armazenamento em até 30%. Além disso, em muitas indústrias, os custos de manutenção de estoques podem representar entre 20% a 40% do custo total. 

Ou seja, a gestão de estoque da sua empresa pode estar sendo a grande vilã dos lucros. Sendo assim, se seu objetivo é reduzir custos de produção, é fundamental olhar cuidadosamente para esses itens:

1.Análise de Demanda

Avaliar e prever a demanda futura com precisão para evitar excesso de estoque e rupturas.

2. Classificação de Inventário

Implementar a classificação ABC para identificar os itens mais críticos e focar na gestão desses produtos prioritários.

3. Controle de Reabastecimento

Estabelecer pontos de pedido automáticos e níveis mínimos de estoque para garantir reabastecimento oportuno sem excesso.

4. Rotação de Estoque

Garantir a rotatividade adequada dos produtos, especialmente os perecíveis, para minimizar desperdícios devido a obsolescência ou vencimento.

5. Gestão de Fornecedores

Colaborar estreitamente com fornecedores para ajustar os prazos de entrega e volumes de pedidos, alinhando-os às necessidades de produção.

6. Inventário Cíclico

Realizar contagens cíclicas regulares para manter a precisão dos registros de inventário e detectar discrepâncias rapidamente.

7. Tecnologia de Rastreamento

Utilizar sistemas de gestão de inventário e tecnologias como RFID para rastreamento preciso e em tempo real dos itens de estoque.

8. Análise de Desempenho

Monitorar e analisar indicadores de desempenho (KPIs) como giro de estoque, tempo de ciclo e acuracidade do inventário para identificar áreas de melhoria.

9. Redução de Lead Time

Trabalhar para reduzir os lead times de fornecimento e produção, permitindo menores níveis de estoque de segurança.

10. Cross-Docking

Implementar técnicas de cross-docking para minimizar a necessidade de armazenamento intermediário, movimentando produtos diretamente dos recebimentos para os embarques.

Manutenção

Você já ouviu aquele ditado: “Prevenir é melhor do que remediar”? Isso vale ouro na indústria. 

Realizar inspeções regulares e manutenções programadas nos equipamentos evita paradas inesperadas e custos exorbitantes com reparos de emergência. Além disso, aumenta a vida útil das máquinas, o que é um grande alívio financeiro.

Implementar um programa de manutenção eficiente, que combine manutenção preventiva e preditiva, pode levar a uma operação mais estável e econômica, contribuindo significativamente para a redução dos custos totais de produção.

💡Leia aqui um Guia Completo de Planejamento e Controle de Manutenção

Treinamento e capacitação de equipe

Uma equipe bem treinada trabalha de forma mais eficiente, com menos erros e desperdícios. Por isso, invista em capacitação contínua e veja a mágica acontecer. 

Além disso, colaboradores bem treinados tendem a ser mais motivados e engajados, o que só traz benefícios para a produção.

Para isso, avalie as habilidades e conhecimentos atuais dos funcionários e identifique áreas que precisam de melhorias e crie programas focados em habilidades técnicas e operacionais, incluindo treinamentos sobre novas tecnologias e práticas de eficiência.

Eficiência energética

A maioria das empresas não leva a sério os gastos com energia elétrica e esse pode estar sendo um grande vilão na sua planilha de custos. 

Entretanto, não precisa apagar todas as luzes e trabalhar no escuro. Investir em eficiência energética, como iluminação LED, motores de alta eficiência e sistemas de monitoramento de consumo, pode reduzir significativamente os custos com energia. 

Métodos de gestão de processos

Para gerenciar uma indústria, você precisa conhecer as principais metodologias de gestão de processos com foco em otimização e aumento de produtividade já consolidadas no mercado. Conheça as principais e se aprofunde nelas:

Kaizen

O Kaizen é uma metodologia de gestão japonesa que foca na melhoria contínua de processos, envolvendo todos os funcionários da organização, desde os operários até a alta administração.

Baseado em pequenos incrementos diários, o Kaizen busca aumentar a eficiência, eliminar desperdícios e melhorar a qualidade, promovendo um ambiente de trabalho colaborativo e engajado.

Utilizando ferramentas como o 5S e os Círculos de Qualidade, o Kaizen incentiva a identificação e a solução constante de problemas, resultando em melhorias contínuas e sustentáveis na produtividade e na performance organizacional.

💡 Leia aqui tudo que você precisa saber sobre Kaizen

Six Sigma

O Six Sigma é uma metodologia de gestão focada na melhoria da qualidade dos processos empresariais através da identificação e eliminação de defeitos e variabilidade.

Para isso, ele utiliza uma abordagem estruturada e baseada em dados, conhecida como DMAIC (Define, Measure, Analyze, Improve, Control).

Em resumo, o Six Sigma visa alcançar níveis de qualidade próximos à perfeição, com no máximo 3,4 defeitos por milhão de oportunidades.

A metodologia envolve o uso de ferramentas estatísticas e analíticas para entender e melhorar processos, resultando em maior eficiência, redução de custos e aumento da satisfação do cliente.

💡 Leia aqui tudo que você precisa saber sobre Six Sigma

Lean Manufacturing

O Lean Manufacturing é uma metodologia de gestão focada na maximização do valor para o cliente através da eliminação de desperdícios nos processos de produção.

Originada no Sistema Toyota de Produção, o Lean utiliza princípios e ferramentas como Just-in-Time (JIT), Kanban, e o mapeamento de fluxo de valor para identificar e remover atividades que não agregam valor, reduzir tempos de ciclo e melhorar a eficiência operacional.

Dessa forma, ao enxugar os processos, a abordagem Lean busca criar um fluxo contínuo e suave de produção, resultando em produtos de alta qualidade, menores custos operacionais e maior agilidade para responder às demandas do mercado.

💡 Leia aqui tudo que você precisa saber sobre as ferramentas do Lean Manufacturing

Sistemas de Gestão Integrada (ERP)

Os Sistemas de Gestão Integrada (ERPs) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. Dentro dele, você gerencia, automatiza e otimiza processos como:

Ou seja, a grande maioria das atividades que você precisa otimizar para alcançar a redução de custos de produção ficarão muito mais fáceis com um sistema de gestão especialista em indústrias. 

Veja alguns benefícios práticos:

  • Decisões baseadas em dados: Não dá pra fazer a gestão de uma empresa baseado em achismos e acreditar que o resultado será assertivo. O ERP dá segurança para definir o futuro do negócio com base em informações concretas e reais. 
  • Automação de processos: O ERP é capaz de automatizar tarefas como emissão de ordens de produção, atualização de estoques e controle de qualidade e muito mais.
  • Monitoramento em tempo real: Você precisa monitorar a produção em tempo real para identificar problemas e oportunidades de melhoria rapidamente. E só um ERP consegue garantir isso.
  • Redução de erros: Com um sistema de gestão guiando, fica muito mais difícil cometer erros administrativos e operacionais.

Korp ERP: O ERP Industrial ideal para reduzir custos de produção

Neste ponto, você já deve ter entendido a importância da tecnologia no processo de redução de custos de produção. Agora, está na hora de evoluir para o próximo passo: definir seus parceiros estratégicos nesse processo.

Escolher um fornecedor de ERP para essa missão é complexo e exige muita atenção. Não basta só ter um sistema de gestão, é preciso escolher um ERP que entenda verdadeiramente o segmento industrial para garantir que ele ofereça funcionalidades que façam sentido para o seu cenário único.

Por isso, o KORP ERP é o sistema de gestão ideal para indústrias de médio e grande porte que estão cansadas de tentar trazer a tecnologia para perto e não conseguirem ultrapassar as barreiras.

Se você quer reduzir custos de produção, aumentar sua produtividade, controlar seu estoque com eficiência e integrar todas as suas necessidades em uma única solução, o KORP ERP é o sistema de gestão industrial feito para você!

Ainda está com dúvidas? Agende uma demonstração gratuita e sem compromisso e nossos especialistas irão te mostrar essa operação na prática!

Cadastre-se em nossa newsletter

Please wait...

Obrigado por se inscrever!

COMPARTILHE

Publicado por:
Formada em Jornalismo e pós-graduada em Assessoria de Imprensa, Gestão de Comunicação e Marketing, atua como coordenadora de marketing na Viasoft Korp.

ARTIGOS RELACIONADOS

Economia Circular na Indústria: Inovação e Impacto

17 de julho de 2024

Continuar lendo

O que é Montagem Industrial? Saiba tudo sobre!

15 de julho de 2024

Continuar lendo