PCM: Guia Completo de Planejamento e Controle de Manutenção

PUBLICADO POR:

Giovanna CipulloGiovanna Cipullo

ATUALIZADO EM:

30 de Abril de 2024

Você já se perguntou como as grandes indústrias mantêm suas máquinas funcionando sem falhas, produzindo sem parar e com eficiência máxima? A resposta está em três letras: PCM. 

O Planejamento e Controle da Manutenção é uma parte essencial de qualquer operação que dependa de equipamentos e maquinários. Vamos mergulhar nesse universo e descobrir como o PCM pode ser o diferencial competitivo que sua empresa está buscando.

O que é PCM?

PCM, ou Planejamento e Controle da Manutenção, é uma filosofia de trabalho que transforma a manutenção de reativa para proativa, planejando intervenções regulares, controlando o uso de ativos e garantindo a operação contínua e eficiente dos equipamentos.

Em outras palavras, ao invés de esperar o equipamento quebrar, o PCM planeja intervenções regulares, controla o uso dos ativos e garante que tudo funcione como um relógio suíço. Mas como isso acontece na prática?

Como funciona e quais as etapas do PCM?

Etapas do PCM

Na prática, o PCM funciona por meio de um ciclo contínuo de planejamento, execução e controle das atividades de manutenção. 

Imagine o PCM como um maestro, coordenando uma orquestra de atividades que vão desde a inspeção até a execução da manutenção. As fases incluem o planejamento detalhado das atividades, a programação de tarefas, a execução controlada e o feedback para melhorias contínuas. 

Cada fase é crucial e, quando bem executada, resulta em uma sinfonia de produtividade e redução de custos.

1. Identificação de Equipamentos e Prioridades

Nesta fase, todos os equipamentos e ativos da empresa são catalogados. Por exemplo, em uma fábrica, isso pode incluir máquinas de produção, sistemas de HVAC, equipamentos de segurança, etc. Para isso, as prioridades de manutenção são então estabelecidas com base em critérios como a importância do equipamento para a operação, a frequência de uso, a idade, o histórico de falhas, entre outros.

2. Planejamento de Atividades

Aqui, as atividades de manutenção são planejadas em detalhes. Portanto, isso pode incluir a definição de inspeções regulares, a programação de manutenções preventivas e a identificação de possíveis intervenções corretivas.

Por exemplo, uma máquina de produção pode ser inspecionada semanalmente, receber manutenção preventiva trimestralmente e ter componentes específicos substituídos ou reparados conforme necessário.

3. Programação de Tarefas

As tarefas de manutenção são programadas de acordo com a disponibilidade de recursos (como pessoal e peças de reposição) e a urgência das necessidades. Por exemplo, uma tarefa de manutenção preventiva em uma máquina de produção pode ser programada para uma hora de baixa produção para minimizar o impacto na operação.

4. Execução Controlada

As atividades de manutenção são executadas conforme o planejado, com um controle rigoroso para garantir que tudo seja realizado conforme o esperado. Sendo assim, isso pode envolver o uso de listas de verificação, o acompanhamento do progresso em tempo real e a documentação detalhada de todas as atividades.

5. Análise de Feedback e Melhoria Contínua

Após a execução, o feedback é coletado e analisado para identificar áreas de melhoria. Isso pode incluir a revisão dos relatórios de manutenção, a análise dos dados de desempenho do equipamento e a solicitação de feedback da equipe de manutenção. Dessa forma, as lições aprendidas são então aplicadas para ajustar o planejamento e a execução futuros.

6. Gestão de Recursos e Análise de Dados

Nesta fase, os recursos são gerenciados de forma eficaz e os dados coletados durante o processo são analisados cuidadosamente. Isso pode envolver o monitoramento do uso de peças de reposição, a análise de tendências de falhas e a otimização dos cronogramas de manutenção com base nos dados históricos.

Ao seguir esses passos, o PCM garante que as atividades de manutenção sejam realizadas de forma proativa, evitando falhas e interrupções inesperadas, e garantindo a operação contínua e eficiente dos equipamentos.

Como estruturar seu PCM?

A estruturação eficaz do Planejamento e Controle da Manutenção (PCM) é um processo que exige meticulosidade e não ocorre instantaneamente. Veja como começar a estruturar:

  • Utilização de Ferramentas Tecnológicas:

Empregar sistemas avançados para coletar, armazenar e analisar dados sobre manutenções realizadas é fundamental. Essas ferramentas facilitam o cruzamento de informações, permitindo uma visão abrangente do desempenho dos equipamentos e a eficácia das manutenções.

  • Gestão de Ordens de Serviço:

As ordens de serviço, quando bem elaboradas, são essenciais para dimensionar as necessidades de manutenções corretivas. Por tanto, um alto volume de manutenções corretivas pode indicar a falta de eficácia das práticas preditivas, destacando a necessidade de ajustes no processo.

  • Análise de Dados Operacionais:

É crucial monitorar indicadores como intervalo entre falhas, impacto das paradas não programadas e os recursos investidos em reparos. Essas informações são decisivas para estabelecer critérios de prioridade e estruturar o calendário de manutenção, incluindo planos preventivos e preditivos.

  • Coleta de Dados Específicos:

A coleta de dados detalhados, como análise de vibração, pressão, tempo de operação da máquina, temperatura e produção total, é fundamental. Sendo assim, esses dados não apenas orientam o planejamento preditivo, mas também ajudam a identificar padrões que podem prever falhas futuras.

  • Revisão e Otimização Constantes:

O PCM deve ser visto como um processo contínuo, onde a revisão e a otimização são constantes para potencializar os resultados. Isso envolve uma avaliação regular dos procedimentos e a adaptação às novas tecnologias e mudanças no ambiente de produção.

  • Escolha de Ferramentas Integradas:

A seleção de ferramentas de gestão de manutenção que integrem todos os dados relevantes em um único sistema é crucial. Portanto, isso não só garante maior eficiência e rapidez nas operações diárias, mas também permite uma análise mais ágil e precisa, facilitando a tomada de decisões informadas.

Aplicando o PCM em Todas as Frentes

O PCM (Planejamento e Controle da Manutenção) é uma abordagem versátil que pode ser aplicada a todos os tipos de manutenção – preventiva, preditiva e corretiva. Veja como isso funciona para cada uma:

PCM na Manutenção Preventiva

O PCM otimiza a manutenção preventiva ao planejar e programar regularmente inspeções e serviços para evitar falhas antes que ocorram. Isso pode incluir a substituição de peças que têm uma vida útil conhecida, a limpeza de equipamentos e a realização de testes para garantir o funcionamento adequado. 

Dessa forma, o PCM ajuda a garantir que essas atividades sejam realizadas de forma eficiente e no momento certo, minimizando interrupções na produção e prolongando a vida útil dos equipamentos.

PCM na Manutenção Preditiva

A manutenção preditiva envolve o monitoramento contínuo do desempenho do equipamento para identificar sinais de possíveis falhas antes que ocorram. Dessa forma, o PCM contribui para isso ao estabelecer um programa de monitoramento e análise de dados, permitindo que a manutenção seja realizada com base nas condições do equipamento, e não em um cronograma fixo. 

Sendo assim, pode resultar em economia de custos, pois a manutenção é realizada apenas quando necessário, e pode prevenir falhas inesperadas que podem causar interrupções dispendiosas.

PCM na Manutenção Corretiva

Apesar dos melhores esforços, às vezes as falhas ocorrem. A manutenção corretiva envolve a reparação ou substituição de peças após uma falha. 

Neste caso, o PCM ajuda a gerenciar a manutenção corretiva, garantindo que as falhas sejam identificadas rapidamente, que os reparos sejam planejados e executados de forma eficiente e que qualquer aprendizado seja incorporado ao planejamento e à programação futuros para prevenir recorrências.

Em todas essas frentes, o Planejamento e Controle de Manutenção ajuda a garantir que a manutenção seja realizada de forma eficiente e eficaz, minimizando o tempo de inatividade, maximizando a vida útil do equipamento e contribuindo para a operação suave e rentável do negócio.

Como aumentar a eficiência do PCM?

Para atingir a máxima eficiência no Planejamento e Controle da Manutenção (PCM),é crucial integrar de maneira eficaz pessoas, processos e tecnologia. A seguir, apresentamos uma abordagem detalhada para otimizar cada um desses elementos:

1. Capacitação e Engajamento da Equipe

  • Treinamento Contínuo: A capacitação não deve ser um evento único, mas um processo contínuo que acompanha as evoluções tecnológicas e as melhores práticas do setor. Isso garante que a equipe não só compreenda os princípios do PCM, mas também esteja apta a aplicá-los efetivamente.
  • Engajamento e Comunicação: Mantenha a equipe motivada e bem informada é fundamental. Investir em treinamentos, capacitações e usar tecnologias que facilitam a comunicação e a execução de tarefas, como sistemas que permitem o preenchimento automático de relatórios e notificações em tempo real, são práticas que contribuem para o engajamento.

2. Definição e Otimização de Processos

  • Mapeamento de Processos: Entenda completamente cada etapa do processo de manutenção permite identificar e eliminar gargalos. Isso inclui desde a programação de manutenções preventivas até a análise de dados coletados.
  • Melhoria Contínua: É essencial implementar um ciclo de feedbacks constantes, onde revisamos e ajustamos regularmente os processos, para nos adaptarmos às mudanças e buscarmos melhorias contínuas.

3. Adoção de Tecnologias Avançadas

  • Ferramentas de Automação: Utilize softwares de gestão de manutenção para automatizar a programação e o acompanhamento das atividades. Ferramentas de monitoramento de condições e análise de dados também são vitais para a manutenção preditiva e para a identificação de tendências e oportunidades de melhoria.
  • Integração de Sistemas: A integração de diferentes tecnologias, como ERP e sistemas de gestão de manutenção, proporciona uma visão holística das operações, facilitando a tomada de decisão baseada em dados.

4. Gestão de Parcerias e Recursos

  • Colaboração com Fornecedores: Estabeleça parcerias estratégicas com fornecedores e parceiros tecnológicos que compartilham da visão de PCM da empresa pode trazer novas perspectivas e acessos a tecnologias inovadoras.
  • Gestão de Recursos: Uma gestão eficiente de recursos inclui o planejamento adequado de compras e o controle rigoroso do estoque, garantindo que os materiais necessários estejam disponíveis sem excessos que imobilizem capital.

5. Medição de Desempenho e Análise de Resultados

  • Indicadores de Desempenho (KPIs): Definir e monitorar KPIs específicos para a manutenção permite medir a eficácia das ações de PCM e identificar áreas para melhorias.
  • Análise de Dados: A análise regular dos dados coletados ajuda a entender a eficácia das estratégias implementadas e a ajustar as abordagens conforme necessário.

Implementando essas práticas, sua organização estará bem posicionada para alcançar a eficiência máxima em PCM, resultando em uma manutenção mais eficaz e custos operacionais otimizados.

Medindo o Sucesso: Avaliando a Eficácia do PCM

Indicadores de Manutenção Industrial

Como saber se o seu PCM está realmente funcionando? Métricas! Tempo de inatividade reduzido, aumento da vida útil dos equipamentos e diminuição dos custos de manutenção são alguns dos indicadores que mostram que seu PCM está no caminho certo.

Esses indicadores fornecem uma visão objetiva sobre o desempenho dos processos de manutenção e permitem medir a eficácia das estratégias implementadas. 

Conheça mais sobre os principais Indicadores-chave para Avaliação da Eficiência do PCM:

MTBF (Mean Time Between Failures – Tempo Médio Entre Falhas)

  • O que é: Mede o tempo médio entre falhas de um equipamento. Um MTBF alto indica uma maior confiabilidade dos equipamentos.
  • Como calcular: Total de horas operacionais dividido pelo número de falhas.

MTTR (Mean Time To Repair – Tempo Médio de Reparo)

  • O que é: Indica o tempo médio necessário para reparar um equipamento após uma falha. Um MTTR baixo sugere uma manutenção eficiente.
  • Como calcular: Tempo total de reparos dividido pelo número de reparos realizados.

OEE (Overall Equipment Effectiveness – Eficiência Global do Equipamento)

  • O que é: O indicador OEEMede a eficiência geral de um equipamento, combinando disponibilidade, desempenho e qualidade.
  • Como calcular: (Disponibilidade × Desempenho × Qualidade) × 100.

Taxa de Disponibilidade dos Ativos

  • O que é: Percentual do tempo em que o equipamento está disponível para produção em relação ao tempo total planejado para operação.
  • Como calcular: (Tempo de operação efetiva / Tempo total planejado) × 100.

Índice de Confiabilidade

  • O que é: Avalia a confiabilidade de um equipamento ou sistema ao longo do tempo.
  • Como calcular: Número de operações bem-sucedidas dividido pelo total de operações.

Manutenibilidade

  • O que é:Mede a facilidade e rapidez com que alguém pode manter ou reparar um equipamento.
  • Como calcular: Você pode avaliar isso pelo tempo médio para manutenção e pela facilidade de acesso aos componentes do equipamento.

Custo de Manutenção

  • O que é: Total de custos associados à manutenção de equipamentos, incluindo peças, mão de obra e custos indiretos.
  • Como calcular: Soma de todos os custos de manutenção em um período.

Backlog de Manutenção

  • O que é: Volume de trabalho de manutenção acumulado, ainda não realizado.
  • Como calcular: Número de tarefas de manutenção pendentes.

Análise de Falhas (FMEA – Failure Modes and Effects Analysis)

  • O que é: Identifica potenciais modos de falha em um processo ou produto para priorizar as ações de mitigação.
  • Como aplicar: Listar falhas potenciais, avaliar sua gravidade, frequência e detectabilidade, e calcular um índice de prioridade.

Fator de Produtividade

  • O que é: Mede a produtividade da mão de obra de manutenção.
  • Como calcular: Produção obtida dividida pelo número de horas de manutenção.

Implementação e Monitoramento

Para implementar esses indicadores, é essencial que se colete dados precisos e consistentes. Ferramentas de software de gestão de manutenção (CMMS ou EAM) podem ser extremamente úteis para automatizar a coleta e análise de dados. 

Por isso, revisar e ajustar os KPIs regularmente com base nos resultados obtidos e nas mudanças nas metas de negócios também é crucial para manter a relevância e eficácia do PCM.

Monitorar esses indicadores permitirá que você identifique áreas de melhoria, otimize processos e, em última análise, aumente a eficiência e eficácia das operações de manutenção.

💡 Leia aqui um artigo exclusivo sobre indicadores de manutenção industrial

Qual a Melhor Ferramenta para o PCM?

Na hora de decidir que ferramenta utilizar, você pode cogitar opções como planilhas, papéis ou sistemas. Mas pense: no mundo digital de hoje, ainda vale a pena usar papel e caneta? A resposta é não. Softwares especializados e sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) oferecem uma visão integrada e facilitam o gerenciamento de todas as etapas do PCM, tornando o processo mais ágil, confiável e acessível.

Por isso, se você pretende aplicar o conceito de PCM na sua empresa de maneira eficaz, é imprescindível considerar sistemas especializados que te auxiliem corretamente durante o processo.

ERP: O Aliado Tecnológico do PCM

Um ERP não é apenas um software, é um parceiro estratégico. Ele centraliza informações, automatiza processos e fornece dados em tempo real, permitindo que você aplique o PCM com precisão cirúrgica. Por isso, com o ERP certo, você tem o poder de transformar dados em decisões inteligentes e manter sua operação sempre à frente da concorrência.

Solicite uma demonstração do KORP ERP e veja tudo que ele pode fazer pela sua empresa!

Conclusão

O sucesso do PCM depende diretamente da capacidade de coletar dados precisos e da habilidade em utilizá-los para melhorar continuamente os processos de manutenção. A escolha de ferramentas adequadas que proporcionam uma integração eficiente dos dados é um diferencial que pode colocar sua empresa à frente no mercado. Assim, o PCM transforma-se em um ciclo virtuoso de melhoria contínua, exigindo atenção constante para maximizar a eficiência e a eficácia das operações de manutenção.

Em resumo, o PCM é mais do que um conjunto de práticas – é uma mentalidade que coloca a manutenção no coração da estratégia operacional. Implementá-lo com sucesso significa garantir não apenas a longevidade dos equipamentos, mas também a sustentabilidade e a lucratividade do seu negócio. Então, está pronto para fazer do PCM a sua vantagem competitiva?

Cadastre-se em nossa newsletter

Please wait...

Obrigado por se inscrever!

COMPARTILHE

Publicado por:
Formada em Jornalismo e pós-graduada em Assessoria de Imprensa, Gestão de Comunicação e Marketing, atua como coordenadora de marketing na Viasoft Korp.

ARTIGOS RELACIONADOS

Kaizen: o que é e como aplicar na indústria

24 de maio de 2024

Continuar lendo

Galvanização: o que é, tipos e etapas

22 de maio de 2024

Continuar lendo