Manutenção preventiva: o que é e quando aplicar

PUBLICADO POR:

Letícia GuimarãesLetícia Guimarães

ATUALIZADO EM:

17 de Abril de 2023

A manutenção preventiva é um conjunto de procedimentos de avaliações e correções nos seus equipamentos, para garantir que tudo esteja em ordem. Assim, você reduz a incidência de defeitos e paradas não planejadas.

A produtividade da sua indústria depende dos cuidados com as suas máquinas. Afinal, os equipamentos se desgastam com o tempo de uso, causando quedas no desempenho e na qualidade da linha de produção.

Nesse sentido, você pode aplicar a manutenção preventiva para melhorar a gestão dos seus processos. 

Quer aprender mais sobre o assunto? No artigo, vamos explicar o que é esse tipo de manutenção, as suas vantagens e quando você pode aplicar. Vamos lá?

O que é a manutenção preventiva?

A manutenção preventiva corresponde à atividade de revisar, controlar e monitorar os seus equipamentos, com base em um planejamento. Sendo assim, deve ser realizada periodicamente, para reduzir defeitos e impedir falhas na sua produção.

Desse modo, a manutenção preventiva é diferente da manutenção corretiva, que acontece quando o aparelho já apresenta algum problema. Resumindo, trata-se de uma estratégia de remediação não sistematizada.

As duas categorias exigem a parada dos procedimentos produtivos, uma vez que não é possível produzir enquanto o maquinário passa pela revisão. Contudo, vale ressaltar que, na manutenção corretiva, as pausas acontecem em momentos de urgência, desestabilizando a rotina da sua indústria.

Por isso, recomenda-se a manutenção preventiva. Com a modalidade, você evita imprevistos no seu chão de fábrica, otimizando a produtividade do seu negócio, reduzindo custos com reparos e garantindo mais segurança ao ambiente de trabalho.

Quais são os principais critérios para programar uma manutenção preventiva?

Ao programar uma manutenção preventiva, atente-se aos seguintes critérios:

  • Periodicidade da manutenção: o intervalo de tempo da manutenção pode se definir por meio da recomendação do fabricante ou por determinações da empresa.
  • Tempo de atividade da máquina: este critério se refere à quantidade de horas que um equipamento pode funcionar antes de uma manutenção.
  • Volume de produção: a quantidade de itens que uma máquina pode produzir antes de uma manutenção preventiva.
  • Critério misto: envolve a combinação dos critérios anteriores, considerando as necessidades específicas de um equipamento.

Todo o processo é pensado previamente para evitar prejuízos à produção, por meio do agendamento de gatilhos que ativam a manutenção. Sendo assim, o tempo e o uso são fatores importantes para determinar a sua ocorrência. Confira como isso pode acontecer no dia a dia, utilizando o exemplo da troca de óleo de um carro:

  • Manutenção preventiva com base no tempo: troca de óleo a cada seis meses.
  • Manutenção preventiva com base no uso: troca de óleo a cada 10.000 quilômetros.
  • Manutenção preventiva mista: troca de óleo de acordo com o que acontecer primeiro, ou seja, a cada 6 meses ou a cada 10.000 quilômetros.

A tomada de decisão deve ser feita com base no tipo de produção da sua indústria ou nas especificações do equipamento que você adquiriu.

Qual é a diferença entre manutenção preventiva e manutenção preditiva?

Já explicamos que a manutenção preventiva consiste em planejar e realizar ajustes antes que um equipamento apresente um problema. Sendo assim, exige reparos em períodos, de acordo com indicadores de desgaste das máquinas, com o objetivo de prolongar a vida útil do equipamento.

De acordo com a NBR 5462/94, há três principais tipos de manutenção que são a preventiva, preventiva e a corretiva, que já abordamos no artigo.

Enquanto a manutenção preventiva envolve prevenir as falhas em equipamentos, a manutenção preditiva consiste em analisar dados em tempo real para identificar as tendências de desempenho de uma máquina e programar uma manutenção.

A manutenção preditiva proporciona uma abordagem mais proativa para o planejamento de reparos, com o uso de sistemas que coletam dados para um gerenciamento inteligente. Desse modo, podemos dizer que é uma metodologia mais avançada, com foco em melhorar a eficiência dos processos industriais.

Tipos de falhas em equipamentos

O planejamento de manutenção preventiva consiste em determinar ações que devem acontecer em intervalos predeterminados, para reduzir a probabilidade de falhas nos equipamentos. Alguns exemplos são a substituição de peças, a lubrificação, as limpezas, as inspeções de rolamentos, entre outras atividades.

Para compreender os fatores que levam à necessidade de manutenção, é importante entender como a máquina sinaliza que precisa ser ajustada e quando pode acontecer uma falha potencial ou funcional. Confira um resumo dos dois conceitos abaixo!

falha potencial e falha funcional

Falha potencial

Em primeiro lugar, a falha potencial indica que algo não está funcionando adequadamente. Desse modo, é o indício do início de um defeito que pode se acentuar com o tempo e reduzir a performance de um componente. 

Alguns exemplos de falha potencial podem ser o aumento de temperatura dos rolamentos, o aumento nos níveis de vibração e nos ruídos, além da diminuição da vazão e pressão.

Falha funcional

Na falha funcional, o item já se encontra incapaz de desempenhar a sua função. Então, o equipamento completo ainda opera, mas não atende o mínimo de desempenho esperado. Esse tipo de falha pode se originar em vários momentos, como na fabricação, no projeto, na instalação, entre outros.

Portanto, o objetivo da manutenção preventiva é prevenir as falhas potenciais e funcionais, de modo a aumentar o ciclo de vida de um equipamento.

A curva PF nos ajuda a medir a possibilidade de falhas em equipamentos, sendo uma importante técnica para compreender a necessidade de uma manutenção preditiva.

curva pf

O objetivo da curva PF é indicar como o desempenho de uma máquina declina ao longo do tempo. Com o uso dessa ferramenta analítica, a sua equipe pode determinar o intervalo entre a falha potencial e a falha funcional, garantindo mais confiabilidade aos equipamentos.

Assista a este vídeo educacional e compreenda mais a fundo o que é a curva PF:

Como classificar os seus equipamentos para uma manutenção preventiva?

A fim de compreender as manutenções mais adequadas para os seus equipamentos, assim como a periodicidade, você pode utilizar a classificação ABC. Assim, você determina a melhor forma de garantir a eficiência das suas máquinas. Veja como classificá-las!

Classificação de equipamento tipo A

Os equipamentos tipo A possuem alta prioridade, sendo aqueles que podem causar grandes prejuízos quando param de funcionar. Ademais, podem ser aqueles com o maior risco de acidentes e danos ao meio ambiente. Portanto, o tipo A requer mais atenção e cuidado na identificação de falhas.

Classificação de equipamento tipo B

Os equipamentos tipo B possuem prioridade média, então, causam prejuízos à produção, mas possuem baixo risco. Eles podem ser consertados rapidamente, também sendo recomendada a manutenção preventiva.

Classificação de equipamento tipo C

As máquinas tipo C oferecem baixo prejuízo à produção e não colocam a sua equipe em risco. Elas podem ser trocadas rapidamente e possuem prioridade baixa, uma vez que não interferem diretamente na qualidade da produção.

Neste caso, cabem manutenções corretivas, uma vez que esse tipo de equipamento não interfere nos seus produtos.

Quais as vantagens da manutenção preventiva?

manutenção preventiva

Além de garantir maior produtividade e segurança aos seus trabalhadores, a manutenção preventiva oferece vários benefícios. Conheça as vantagens de investir nessa metodologia!

Otimização da capacidade produtiva

Quando você realiza revisões periódicas, consegue resolver muitos problemas antes que eles ocorram. Desse modo, em vez de remediar, o foco se torna prevenir, evitando os sustos na sua organização. Por consequência, a organização otimiza a capacidade produtiva, reduzindo também o consumo energético do equipamento.

Aumento no tempo de vida útil dos equipamentos

Máquinas defeituosas tendem a se desgastar mais, pois toda a engrenagem é prejudicada. Assim, com a manutenção preventiva, é possível identificar peças defeituosas e entraves com mais facilidade. Os reparos periódicos prolongam o tempo de vida e o desempenho do equipamento, reduzindo os custos da organização.

Redução de custos com troca de peças

Com as manutenções planejadas, a sua equipe tem mais tempo para estudar as melhores opções do mercado para a troca de peças. Outra possibilidade é adquirir os itens antecipadamente e em maior quantidade, para encontrar os melhores preços disponíveis. Ao contrário da manutenção corretiva, você pode economizar com o planejamento, uma vez que não há urgência para realizar o reparo.

Como implementar a manutenção preventiva na indústria?

Se você deseja implantar a manutenção preventiva na sua empresa, precisa criar uma base de dados atualizada sobre todos os seus equipamentos e os procedimentos realizados. Em seguida, é importante classificar as suas máquinas, a fim de compreender quantas manutenções preventivas seriam necessárias durante um ano. Outras informações podem compor o seu plano de manutenção preventiva, como:

  • Serviços a realizar;
  • Data de cada serviço;
  • Responsáveis por cada serviço;
  • Materiais necessários, entre outras.

A manutenção preventiva é uma ótima forma de evitar desperdícios e prejuízos na sua produção. Afinal, uma empresa que investe em produtividade garante uma boa imagem frente a seus clientes, garantindo o melhor atendimento possível.

Para garantir mais eficiência às manutenções da sua indústria, você pode contar com um sistema de gestão integrada que une todas as informações da sua empresa em único lugar, facilitando a gestão do chão de fábrica.

O ERP Korp conta com o módulo de Produção, que abriga todas as principais necessidades da indústria para a eficiência da produção. O sistema também conta com funções de manutenção, para que você consiga automatizar tarefas repetitivas e realizar análises em tempo real. Com a funcionalidade de manutenção do ERP, você pode:

  • Cadastrar os equipamentos da sua empresa;
  • Construir calendários para visualizar todas as etapas das suas manutenções;
  • Emitir ordens de serviço;
  • Criar visualizações de dados para facilitar a análise da equipe;
  • Gerir os colaboradores da manutenção de acordo com suas competências.

Viu como a manutenção preventiva é importante para o seu negócio? Para impulsionar este processo com o auxílio da tecnologia, entre em contato conosco. 

Fale com um consultor ou solicite um orçamento!

Cadastre-se em nossa newsletter

Please wait...

Obrigado por se inscrever!

COMPARTILHE

Publicado por:
Letícia Guimarães é professora, publicitária e mestre em Comunicação (UFPR).

ARTIGOS RELACIONADOS

Kaizen: o que é e como aplicar na indústria

24 de maio de 2024

Continuar lendo

Galvanização: o que é, tipos e etapas

22 de maio de 2024

Continuar lendo