PCP: guia completo do controle da produção

PUBLICADO POR:

Letícia GuimarãesLetícia Guimarães

PUBLICADO EM:

13 de dezembro de 2022

O PCP, sigla para “Planejamento e Controle de Produção”, é uma área de gestão de operações que desempenha um papel fundamental na administração e otimização da produção em empresas e indústrias. 

O objetivo do PCP é garantir que os recursos disponíveis sejam utilizados de maneira eficaz para atender às demandas do mercado, produzindo produtos ou serviços de alta qualidade no prazo e ao menor custo possível. 

O PCP envolve várias atividades, como o planejamento da produção, o controle de estoques, a programação de máquinas e mão de obra, a previsão de demanda, a gestão da cadeia de suprimentos e a análise de desempenho.

Em resumo, essa é uma abordagem sistemática que ajuda as empresas a planejar, organizar e controlar todos os aspectos relacionados à produção, com o objetivo de otimizar a eficiência, reduzir custos e atender às expectativas dos clientes. É uma disciplina crucial para garantir a competitividade e o sucesso de uma empresa no mercado.

Neste texto, você irá aprender estratégias de implementação do PCP na prática na sua indústria. Continue a leitura!

Sumário

  • O que é PCP (Planejamento e Controle da Produção)?
  • Quais são os benefícios da implantação do PCP?
  • Quais são os objetivos do PCP?
  • Qual é a relação entre o PCP e o plano mestre de produção?
  • PCP e Just in Time: como combinar estratégias 
  • Afinal, como aplicar o PCP na indústria?
  • PCP em diferentes segmentos

O que é PCP (Planejamento e Controle da Produção)?

O Planejamento e Controle da Produção (PCP) é um conjunto de atividades que visam garantir a eficiência e a eficácia dos processos de produção, desde o planejamento das metas de produção, programação de pedidos de clientes, gestão de estoques, alocação de recursos, monitoramento do desempenho da produção e muito mais.

O PCP é essencial para otimizar a utilização de recursos, minimizar desperdícios, atender à demanda do mercado e manter os custos operacionais sob controle, contribuindo para o sucesso e a competitividade das empresas no setor de manufatura.

Por meio dele, é possível saber quando produzir, quanto, onde, em que escala e, ao final, ter uma estimativa de funcionamento de acordo com o planejamento.

Com isso, garante a qualidade dos processos e produtos a serem produzidos, de modo que o negócio se mantenha competitivo no mercado.

Quais são os benefícios da implantação do PCP?

beneficios-pcp

 

Separamos 15 benefícios para que você visualize com clareza a implantação de um Planejamento e Controle de Produção (PCP) dentro de uma indústria:

Produção eficiente:

O PCP permite uma produção mais eficaz, garantindo que os recursos sejam alocados de forma apropriada para atender às demandas de produção.

Gestão de matérias-primas:

Ao organizar as matérias-primas disponíveis durante a produção, o PCP ajuda a evitar interrupções na linha de produção devido à escassez de materiais.

Fluxo de materiais melhorado:

O PCP otimiza o fluxo de materiais na linha de produção, garantindo que cada etapa seja coordenada eficazmente.

Redução de custos de estoque:

Através da produção just in time e da gestão eficaz de estoques, o PCP reduz significativamente os custos de manutenção de estoque.

Decisões mais precisas:

O PCP fornece informações valiosas que permitem que os gestores tomem decisões mais assertivas com base em dados em tempo real.

Produtividade aprimorada:

Tanto a produtividade dos colaboradores quanto a das máquinas e equipamentos são otimizadas pelo PCP, resultando em maior eficiência.

Monitoramento e controle:

O PCP oferece ferramentas para monitorar e controlar o desempenho da produção, permitindo ajustes ágeis quando necessário.

Redução de desperdícios:

Ao minimizar estoques desnecessários e garantir a qualidade dos processos, o PCP contribui para a redução de perdas e desperdícios na indústria

Custos operacionais menores:

O PCP diminui os custos operacionais da empresa, resultando em uma operação mais rentável.

Estoques em níveis ideais:

O PCP ajuda a manter o nível de estoque na quantidade ideal, evitando tanto estoques em excesso quanto estoques insuficientes.

Tempo de produção otimizado:

O PCP otimiza o período de produção, garantindo que o tempo de produção seja eficiente e sem atrasos.

Qualidade aprimorada:

Através do controle rigoroso do processo, o PCP aumenta a qualidade dos produtos fabricados.

Redução de tempo ocioso:

O PCP minimiza o tempo ocioso da produção, mantendo a máxima utilização dos recursos.

Capacidade produtiva otimizada:

O PCP assegura que a capacidade produtiva da empresa seja utilizada de maneira eficiente e eficaz.

Cronogramas de produção organizados:

O PCP é essencial para organizar os cronogramas de produção da fábrica, garantindo que cada etapa seja planejada e executada de acordo com o plano.

Depois de te contar todas estas vantagens, você já deve imaginar que não operar com o Planejamento e Controle de Produção seria até um prejuízo para o seu negócio. Afinal, a gestão se torna deficiente em vários pontos e os seus concorrentes poderiam estar muito à frente com seu uso. Continue a leitura e conheça mais detalhes sobre o assunto!

Quais são os objetivos do PCP?

O PCP (Planejamento e Controle da Produção) tem como objetivo 4 fatores muito importantes que podem ser apontados com perguntas, facilitando seu entendimento. Confira!

  1. Programação da produção / Quando produzir?

O objetivo principal é claro: controlar a produção para a programação. Dessa forma, a ação é avaliar a demanda total da produção pela indústria e quando acontecerá a execução.

Existem duas formas que podem ser programadas:

  • Para recursos disponíveis: em que é possível diminuir o prazo de entrega e executar as tarefas em primeiro momento.
  • Para minimizar recursos e tempo: programando as tarefas com um momento de finalização. 

2. Carregamento de máquinas e postos de trabalho / Quanto e onde produzir?

Os postos de trabalhos, equipes e máquinas precisam ter suas capacidades definidas. Desse modo, é possível saber quanto e onde produzir. A fábrica pode definir o carregamento de máquinas da seguinte forma:

  • Finito: as etapas do processo produtivo tem a capacidade medida e considerada. É preciso entender se a capacidade do centro de trabalho suportará a demanda planejada e assim programar cada etapa de produção.
  • Infinito: pela grande variedade de processos de programação em empresas, pode ser inviável calcular o carregamento de cada máquina e posto de trabalho. Portanto, o recomendado é utilizar o carregamento finito apenas para o início da produção e os demais, o infinito.

3. Sequenciamento e priorização da produção / Em que ordem produzir?

O objetivo do PCP Planejamento e Controle da Produção é definir a ordem da produção e execução das operações. Sendo assim, pode acontecer de diferentes produtos compartilharem da mesma etapa e equipamento de produção. Por isso, é preciso determinar as prioridades.

Normalmente, é determinado da seguinte forma:

  • FIFO (First in, First out) ou PEPS (Primeiro a entrar, Primeiro a sair): neste modo de sequenciamento os pedidos são produzidos na ordem em que entram na produção
  • LIFO (last in, first out) ou UEPS (último a entrar, primeiro a sair): neste modo de sequenciamento os últimos pedidos são produzidos primeiro.

4. Monitoramento da produção / A execução está seguindo um planejamento?

Controlar e observar é a chave do monitoramento de produção. Isso porque é necessário acompanhar se o PCP está de fato seguindo o planejamento feito anteriormente. Nesse contexto, é importante entender melhor a produção puxada e empurrada.

  • Controle empurrado: dessa forma, cada posto de trabalho passa o material ou produto semi-acabado para a etapa seguinte assim que terminam sua atividade.
  • Controle puxado: o centro de trabalho solicita o material ou produto semi-acabado da etapa anterior. Desse modo, uma atividade puxa a outra, que puxa a anterior, e assim por diante.

Como fazer o Planejamento e Controle da Produção (PCP)?

É importante saber diferenciar dois fatores para iniciar um PCP – Roteiro de Produção e Plano Mestre de Produção. Além disso, para implementar um planejamento e controle da produção , deve-se seguir etapas, planejando e depois controlando. Confira as diferenças, as etapas do processo e como planejar!

Roteiro de Produção

O roteiro de produção nada mais é do que o planejamento. A empresa precisa se basear em um roteiro de produção, especificando etapas, desde o momento inicial da chegada de matérias-primas, até o momento da finalização do produto.

Algumas etapas precisam ser seguidas para realizar um PCP. Sendo assim, a empresa consegue prever o que será produzido, quais máquinas e quais equipes irão participar do processo.

1ª etapa – Previsão de demanda da produção

Estimar a curto, médio e longo prazo qual será o volume de vendas/demanda por período, através de uma previsão de vendas. Dessa forma, é possível estimar a quantidade de materiais necessários para produção.

2ª etapa – Planejamento da capacidade produtiva

Adequar-se a capacidade produtiva para a demanda de produção. Portanto, é preciso identificar se será necessário aumentar a equipe, comprar mais máquinas ou reduzir a produção e mão de obra já disponível.

3ª etapa – Planejamento agregado da produção

Determinar qual a melhor estratégia de produção para a fábrica anualmente, com revisão mensal. Com isso, é possível tomar decisões de acordo com a capacidade da empresa no decorrer do ano. Por isso, planeje:

  • Volume de estoque
  • Produção mensal 
  • Contratação e demissão de funcionários
  • Horas extras
  • Contratos com fornecedores
  • Contratos com serviços de logística

4ª etapa – Programação Detalhada da Produção

Gerenciamento do chão de fábrica, rotina e atividades. Nesta etapa, é necessário:

  • A quantidade de materiais;
  • A organização do estoque;
  • Definir lotes para produtos;
  • Definir a sequência das ordens de produção;
  • Definir os padrões e a geração das ordens de produção.

5ª etapa – Controle de produção

A equipe deve mensurar e analisar os dados do sistema de modo a controlar a produção e verificar se está funcionando de acordo com o planejamento. Por consequência, possibilitando a correção de problemas e melhora nos processos.

Qual é a relação entre o PCP e o plano mestre de produção?

Após implantar todas as etapas no processo de Planejamento e Controle da Produção, é importante estabelecer o que será produzido em questão de demanda a curto prazo e de forma operacionalizada. Ou seja, de forma a atender a demanda do período, produzindo a quantidade certa, na hora certa.

Através de uma projeção baseada nas metas da empresa, é possível analisar o giro das mercadorias ao longo do tempo, sempre buscando por melhorias. Aqui o planejamento deve ser mais detalhado contendo itens, quantidades e estoques.

PCP e Just in Time: como combinar estratégias 

O Just in Time (JIT) é uma estratégia de produção e gestão de estoques que se relaciona de forma fundamental com o Planejamento e Controle da Produção (PCP). O JIT visa a produção enxuta, com estoques mínimos e entregas precisas, e é amplamente utilizado nas indústrias para melhorar a eficiência e reduzir desperdícios. Veja uma explicação mais detalhada de como o JIT se relaciona com o PCP:

Estoques Mínimos

O JIT se baseia na ideia de manter estoques mínimos, ou seja, produzir apenas o que é necessário no momento em que é necessário. Isso significa que as empresas que adotam o JIT não mantêm grandes estoques de matéria-prima, produtos em processo ou produtos acabados. Em vez disso, eles produzem conforme a demanda, minimizando o acúmulo de estoques.

Entregas Precisas

Com o JIT, as entregas de matéria-prima e componentes são agendadas de forma precisa para coincidir com o momento exato em que são necessárias na produção. Isso requer uma coordenação eficaz entre fornecedores e a empresa. O PCP desempenha um papel crucial no planejamento dessas entregas e na programação da produção para garantir que tudo esteja pronto quando necessário.

Redução de Desperdícios

Uma das principais metas do JIT é a redução de desperdícios em todas as etapas da produção. Isso inclui a eliminação de estoques excessivos, minimização de tempos de espera e transporte, e a identificação e correção de problemas rapidamente. O PCP ajuda a monitorar o fluxo de produção, identificar gargalos e coordenar ações para evitar atrasos e desperdícios.

Flexibilidade e Agilidade

O JIT requer uma produção flexível e ágil que possa se adaptar rapidamente às mudanças na demanda. O PCP deve ser capaz de reagir a variações na demanda e ajustar a programação de produção de acordo.

Redução de Custos

Com a redução de estoques, menos capital fica preso em inventário, e há menos custos associados ao armazenamento e manutenção de estoques. O JIT, quando implementado com sucesso, pode levar a uma significativa redução de custos operacionais.

Qualidade

O JIT também está relacionado à qualidade, pois a produção sob demanda e a redução de estoques tornam mais fácil identificar e corrigir problemas de qualidade no processo de produção. O PCP desempenha um papel importante na coordenação de inspeções e controle de qualidade em toda a cadeia de produção.

Sistema Puxado

No JIT, o sistema é frequentemente chamado de “sistema puxado”. Isso significa que a produção é puxada pela demanda real do mercado, em oposição a um “sistema empurrado” que produz com base em previsões ou em um cronograma fixo. O PCP é responsável por gerenciar esse sistema puxado, assegurando que os pedidos sejam atendidos no momento certo.

Em resumo, o Just in Time é uma estratégia que se concentra em produzir o que é necessário, quando é necessário, eliminando estoques excessivos e desperdícios. O PCP desempenha um papel crítico na implementação bem-sucedida do JIT, ajudando a planejar entregas precisas, coordenar a produção e manter a flexibilidade necessária para atender às demandas do mercado de forma eficiente. Quando essas duas abordagens são combinadas de forma eficaz, as empresas podem alcançar uma produção mais enxuta, reduzir custos e melhorar a qualidade.

Afinal, como aplicar o PCP na indústria?

O Planejamento e Controle de Produção (PCP) O Planejamento e Controle de Produção (PCP) é um elemento essencial na gestão de operações de qualquer indústria. No entanto, a aplicação eficaz do PCP requer uma abordagem abrangente e estratégica, que vá além das noções básicas. Neste texto, exploraremos estratégias mais complexas para a implementação do PCP na prática, incluindo dicas adicionais e insights valiosos. 

1. Integração de Departamentos e Colaboração Interfuncional

Um dos principais desafios no PCP é a garantia de uma comunicação eficaz entre os diferentes departamentos da empresa. A integração e colaboração interfuncional são cruciais para o sucesso. Para isso, é necessário:

  • Implementar um Sistema de Gestão Integrada (ERP): Um ERP centraliza dados e processos de todas as áreas, permitindo o compartilhamento de informações em tempo real. Essa é a primeira dica e, provavelmente, a mais importante de todas.

    Sua indústria não alcançará uma otimização real da produção sem um sistema que integre todas as informações necessárias. 
  • Estabelecer comitês de planejamento: Crie comitês interdepartamentais que se reúnam regularmente para discutir estratégias do PCP e garantir que todos os envolvidos estejam alinhados.

    Em outras palavras, esteja sempre em comunicação com os outros setores da empresa para identificar possíveis gargalos e oportunidades. É essencial ver a perspectiva de outras pessoas na empresa e não se limitar apenas ao setor do chão de fábrica propriamente. 

2. Otimização da Cadeia de Suprimentos

A otimização da cadeia de suprimentos, também conhecida como gestão da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management – SCM), é uma abordagem estratégica que visa melhorar a eficiência, eficácia e a flexibilidade de todos os processos envolvidos na produção, distribuição e entrega de produtos ou serviços. Essa otimização tem o objetivo de proporcionar vantagens competitivas às empresas, reduzindo custos, melhorando a qualidade dos produtos e serviços, e atendendo às demandas dos clientes de forma mais rápida e eficiente.

A cadeia de suprimentos engloba todas as etapas que vão desde a aquisição de matérias-primas até a entrega do produto final ao consumidor, passando por produção, distribuição, armazenamento, transporte e outros processos intermediários.

Para otimizá-la, algumas práticas e estratégias comuns incluem:

  1. Visibilidade da Cadeia de Suprimentos: É fundamental ter uma visão clara de todos os processos e etapas da cadeia de suprimentos. Isso envolve o uso de sistemas de informação e tecnologia para rastrear e monitorar cada etapa. 
  2. Gestão de Estoques:A gestão de estoque por si só já é uma atividade indispensável em qualquer indústria. Neste caso, otimizar o nível de estoques também é crucial.

    Isso envolve evitar estoques em excesso, que podem levar a custos de armazenamento e obsolescência, e evitar estoques insuficientes, que podem resultar em atrasos na produção e entrega. 
  3. Colaboração com Fornecedores e Parceiros: Manter um relacionamento estreito e colaborativo com fornecedores e parceiros na cadeia de suprimentos é essencial para garantir um fluxo de materiais e informações eficiente. 
  4. Gestão de Riscos: Identificar e mitigar riscos potenciais na cadeia de suprimentos, como interrupções de fornecimento, problemas de transporte ou desastres naturais. Isso inclui a criação de planos de contingência. 
  5. Uso de Tecnologia Avançada: Ferramentas como sistemas de gerenciamento de cadeia de suprimentos (SCM),IoT (Internet das Coisas) e análise de dados são cada vez mais utilizadas para otimizar processos e aumentar a visibilidade da cadeia de suprimentos. 
  6. Produção Just-In-Time (JIT): O sistema JIT envolve a produção de produtos ou aquisição de materiais somente quando são necessários, reduzindo estoques e melhorando a eficiência. 
  7. Gestão de Transporte e Logística: Garantir que os produtos sejam movidos de forma eficiente e no momento certo para reduzir custos e prazos de entrega.

3. Previsão de Demanda Aprimorada

A previsão de demanda envolve a análise de dados históricos e outros fatores relevantes para estimar a quantidade de produtos ou serviços que os clientes exigirão em um período futuro. Portanto, a precisão da previsão é essencial para tomar decisões informadas sobre aquisição de matérias-primas, produção, distribuição e níveis de estoque.

Veja alguns pontos relacionados à previsão de demanda aprimorada que podem ser úteis:

Aqui estão alguns pontos-chave relacionados à previsão de demanda:

  1. Métodos de Previsão: Existem vários métodos de previsão, desde simples técnicas de média móvel até modelos mais avançados, como análise de séries temporais e aprendizado de máquina. A escolha do método depende da disponibilidade de dados e da complexidade da demanda.
  2. Dados de Entrada: Para fazer previsões precisas, você precisará de dados históricos de vendas ou consumo, bem como informações sobre fatores que podem afetar a demanda, como sazonalidade, tendências de mercado, eventos sazonais e econômicos, entre outros.
  3. Ferramentas de Software: O Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP) é uma ferramenta comumente usada na gestão da cadeia de suprimentos e PCP. O MRP utiliza a previsão de demanda como entrada para calcular o quê, quanto e quando comprar ou produzir matérias-primas com base nas necessidades projetadas.
  4. Atualização Contínua: A previsão de demanda não é um processo estático. Ela deve ser revisada e ajustada regularmente à medida que novos dados estão disponíveis e à medida que as circunstâncias do mercado mudam. Isso é especialmente importante para gerenciar com precisão estoques e níveis de produção.
  5. Colaboração com Stakeholders: É benéfico colaborar com outros departamentos e parceiros na cadeia de suprimentos. A coleta de informações de vendas, feedback dos clientes e insights de outras áreas pode melhorar a precisão das previsões.

Para finalizar, o MRP ajuda a traduzir as projeções de demanda em planos de produção e aquisição de materiais. Ele considera a disponibilidade de estoque, os tempos de produção e os lead times dos fornecedores para determinar quando e quanto comprar ou produzir. 

Por isso, nossa dica final para o tema de previsão de demanda é: se apoie em um bom sistema MRP para alcançar bons resultados. 

4. Estratégias de Programação de Produção

A programação da produção é uma parte importantíssima do PCP. Por isso, deve ser observada com bastante cuidado. As estratégias sugeridas visam otimizar o uso dos recursos disponíveis, como máquinas, mão de obra e estoques, para atender às demandas dos clientes de maneira eficaz e eficiente. 

Por isso, separamos alguns aspectos a serem levados em conta para uma programação estratégica da produção:

1. Programação Sequencial vs. Programação Sincrônica

  • Programação Sequencial: Nesse método, as ordens de produção são programadas e executadas uma após a outra, seguindo uma sequência predefinida. Isso pode levar a gargalos de produção e ociosidade de recursos.
  • Programação Sincrônica: A programação sincrônica busca otimizar a produção, garantindo que as etapas de produção sejam sincronizadas para evitar gargalos. Ela considera a capacidade real da fábrica e a demanda do mercado.

2. Programação Baseada na Teoria das Restrições (TOC)

A Teoria das Restrições (TOC) é uma metodologia de gerenciamento e filosofia de negócios que se concentra na identificação, gestão e eliminação de restrições ou gargalos que limitam o desempenho e a eficiência de um sistema ou organização. 

Na produção, a TOC pode ser uma aliada para identificar os gargalos do processo produtivo, permitindo que a empresa concentre-se em otimizar o uso desses recursos críticos. 

Dessa forma, a programação da fábrica é projetada para manter o gargalo em plena capacidade, resultando em mais produtividade e, consequentemente, mais lucro. 

3. Integração com Outras Áreas

A programação de produção deve ser integrada com outros aspectos do PCP, como a previsão de demanda, a gestão de estoque e a gestão de recursos humanos. 

Por isso, é essencial contar com um Sistema de Gestão Integrada (ERP) robusto, que seja capaz de integrar todos os setores da empresa em um só lugar, promovendo a harmonia e sincronia das informações da indústria. 

4.  Sistemas APS (Advanced Planning and Scheduling):

Por último, mas não menos importante, os sistemas APS são avançadas ferramentas de programação que utilizam algoritmos complexos para otimizar a produção com base em várias restrições e objetivos. 

Eles levam em consideração a capacidade de máquinas, disponibilidade de mão de obra, prioridades de produção e custos operacionais.

Sendo assim, contar com um Sistema APS potente em um ambiente de produção complexo, onde existem diversas variáveis e restrições a serem consideradas é a melhor opção para encontrar o sequenciamento de produção ideal. 

Esse sistema permite uma programação mais precisa e flexível, ajudando as empresas a melhorar a eficiência, reduzir custos e atender às demandas do mercado de maneira mais ágil.

O APS permite sincronizar a produção com base na capacidade real da fábrica e na demanda dos clientes, evitando gargalos e ociosidade.

Dentro do Sistema APS do Korp ERP, por exemplo, existe um sistema de Kanban avançado que permite uma visualização mais intuitiva e clara das diferentes opções de sequenciamento, permitindo que a empresa escolha qual o melhor cenário de produção. 

Saiba mais sobre o Sistema APS KORP:

PCP em diferentes segmentos

Você já sabe que o PCP desempenha um papel fundamental em todos os segmentos industriais, mas está na hora de entender na prática as particularidades do Planejamento e Controle de Produção em áreas de atuação específicas.

PCP na Indústria de Plásticos

Na indústria de plásticos, o PCP desempenha um papel vital na gestão da produção de uma ampla variedade de produtos, desde embalagens até componentes automotivos. 

Um exemplo disso é uma fábrica de embalagens plásticas que precisa coordenar a produção de diferentes tamanhos e tipos de embalagens para atender às demandas dos clientes. 

O PCP ajuda a otimizar a utilização de matérias-primas, programar a produção de acordo com a demanda e minimizar resíduos durante o processo de fabricação, contribuindo para a sustentabilidade na indústria.

PCP na Indústria Metalmecânica

Na indústria metalmecânica, que inclui a fabricação de peças e componentes de metal, como engrenagens, estruturas metálicas e máquinas, o PCP é essencial para garantir a eficiência dos processos de usinagem, montagem e soldagem. 

Uma empresa que fabrica componentes de precisão, como peças de aviação, depende do PCP para planejar a produção de maneira que cada peça seja usinada com precisão, montada corretamente e submetida a rigorosos controles de qualidade. 

O PCP ajuda a otimizar o uso de máquinas CNC (Controle Numérico Computadorizado) e outros equipamentos, maximizando a eficiência e minimizando os custos de produção.

PCP na Indústria Automobilística

Já na indústria automobilística, o PCP é um pilar para a produção em massa de veículos. Ele coordena a fabricação de carros, desde o fornecimento de peças e componentes até a montagem final. 

O PCP permite que as fábricas automobilísticas programem a produção de modelos específicos com base na demanda do mercado, ajustando-se rapidamente a variações na demanda. 

Um fabricante pode priorizar a produção de veículos utilitários esportivos (SUVs) durante um período de alta demanda por esse tipo de veículo, por exemplo.

PCP na Indústria de Alimentos

Na indústria de alimentos, o PCP é essencial para garantir a segurança alimentar e a gestão eficaz dos ingredientes perecíveis. 

Por exemplo, uma padaria deve programar a produção de pães de acordo com os pedidos recebidos, evitando o excesso de estoque que poderia levar ao desperdício de produtos frescos. 

O PCP também rastreia as datas de validade e garante que os produtos mais antigos sejam vendidos primeiro, seguindo o princípio do FIFO (First In, First Out).

PCP na Indústria Farmacêutica

No setor farmacêutico, a precisão é crucial. O PCP é responsável por programar a produção de medicamentos de acordo com as regulamentações rigorosas do setor. 

A produção de vacinas sazonais contra a gripe precisa ser sincronizada com os períodos de vacinação, garantindo que haja doses suficientes disponíveis para atender à demanda.

Óbvio que a eficiência do PCP é essencial em qualquer segmento, mas na farmacêutica existem um peso a mais, justamente porque não dá para errar na produção de medicamentos ou vacinas, certo? As consequências podem ser irreversíveis e até custar a própria empresa. 

PCP na Indústria de Eletrônicos

Na manufatura de eletrônicos, como smartphones e computadores, o PCP coordena a produção de componentes complexos. 

Um fabricante de smartphones precisa garantir que a montagem de placas de circuito integrado, telas e outros componentes seja executada em sincronia para atender aos prazos de lançamento do produto.

PCP na Indústria da Construção

O PCP na construção é crucial para coordenar a disponibilidade de materiais, mão de obra e equipamentos no canteiro de obras.

Por exemplo, em um grande projeto de construção civil, o PCP deve garantir que os materiais, como concreto, aço e vidro, estejam disponíveis conforme o cronograma, evitando atrasos na construção.

O PCP da Viasoft Korp

Se você já entendeu a importância do PCP e está preparado para encontrar a ferramenta ideal, você precisa se atentar a um ponto: Encontrar um fornecedor especialista em indústria.

Afinal, qual o sentido de contratar um sistema para planejamento e controle de produção que não conheça genuinamente o segmento industrial?

É isso que o Viasoft Korp ERP oferece, especialidade e conhecimento profundo nos processos industriais. Tudo isso porque desenvolvemos nossas soluções dentro do chão de fábrica, identificando cada pequeno gargalo, detalhe e necessidade do chão de fábrica.

Atualmente, contamos com uma série de soluções dentro do KORP ERP que resultam em um sistema completo para o PCP, desde módulos para controle da produção, um sistema APS próprio e nativo, MRP I e MRP II e muito mais.

Se você quer saber receber uma demonstração completa do sistema, é só entrar em contato com a gente e dar o primeiro passo para essa evolução.

Cadastre-se em nossa newsletter

Please wait...

Obrigado por se inscrever!

COMPARTILHE

Publicado por:
Letícia Guimarães é professora, publicitária e mestre em Comunicação (UFPR).

ARTIGOS RELACIONADOS

Efeito chicote: o que é e seus impactos

27 de dezembro de 2023

Continuar lendo

Fundição: entenda esse processo da metalurgia

25 de dezembro de 2023

Continuar lendo