Risco operacional: o que é e como gerenciar

PUBLICADO POR:

Letícia GuimarãesLetícia Guimarães

ATUALIZADO EM:

23 de Novembro de 2023

O risco operacional na indústria é um grande desafio para milhares de gestores. Afinal, as organizações precisam superar diversos obstáculos diários na busca pelo sucesso empresarial, e a ausência de uma gestão eficaz pode aumentar ainda mais a complexidade do cenário.

Os riscos representam situações de alerta que têm o potencial de impactar a produção, a qualidade ou o progresso da organização de diversas maneiras. Sendo assim, adquirir conhecimento sobre os riscos mais prevalentes e desenvolver habilidades para identificá-los são passos significativos para elaborar um planejamento bem-sucedido, visando a redução de incidentes.

Estes riscos, muitas vezes invisíveis e subestimados, podem ter um impacto significativo na eficiência, na segurança e, consequentemente, nos resultados financeiros das organizações.

Neste artigo, exploraremos os riscos operacionais na indústria, discutiremos suas origens e apresentaremos estratégias eficazes de gerenciamento. Vamos lá?

O que é o risco operacional?

O risco operacional diz respeito a falhas internas que interrompem as operações e podem resultar em prejuízos financeiros, de produção ou até mesmo afetar a imagem da empresa. Desse modo, o conceito abrange qualquer ameaça que tenha o potencial de impactar o funcionamento da organização e reduzir a qualidade operacional como um todo.

Esses riscos podem se manifestar em várias áreas da empresa e ocorrer por diversos motivos, desde falhas no sistema até problemas externos ou má gestão. A magnitude do risco em uma determinada situação está diretamente ligada às possibilidades de perda operacional ou prejuízo para a organização.

Quais são as categorias de risco para uma empresa?

risco-operacional

Quando discutimos os riscos de uma empresa, lembramos que existem três categorias para classificá-los. Essas categorias se referem a ameaças específicas e podem servir como um guia para orientar a identificação e o combate aos possíveis perigos.

Portanto, entender essa categorização é o primeiro passo para mitigar qualquer risco, pois simplifica a prevenção.

A seguir, apresentamos três categorias existentes!

Risco organizacional

Conforme o nome sugere, essa classificação de risco é utilizada para descrever as ameaças estruturais, geralmente relacionadas à falta de organização da empresa. Entre elas, destacam-se:

  • Falta de planejamento;
  • Estabelecimento de metas irreais;
  • Erros decorrentes de comunicação inadequada;
  • Processos desalinhados e pouco claros.

É comum que esse tipo de risco esteja associado a problemas de gestão, podendo comprometer o crescimento do negócio, a reputação no mercado e até mesmo o gerenciamento de crises no futuro.

Risco pessoal

Essa categoria de risco operacional está relacionada ao capital humano da empresa, ou seja, todas as pessoas que contribuem para o funcionamento adequado da operação. Portanto, inclui colaboradores da organização e contatos externos que desempenham funções essenciais para a produtividade, como fornecedores.

Essa categoria está vinculada aos erros cometidos em atividades rotineiras realizadas por essas pessoas. Alguns exemplos incluem:

  • Falhas na gestão;
  • Ausência de políticas internas claras;
  • Problemas de comunicação com fornecedores;
  • Colaboradores sem a capacitação adequada para determinada atividade ou função.

Risco de operação

O risco de operação está diretamente ligado a falhas nos sistemas, abrangendo as etapas do processo de produção de uma organização. Dessa forma, as falhas podem ser causadas por problemas técnicos ou de segurança, assim como por erro humano.

Sendo assim,  referem-se às ameaças que uma empresa enfrenta em suas atividades diárias. Eles podem surgir de diversas fontes, como falhas de equipamentos, erros humanos, interrupções no fornecimento de matéria-prima, desastres naturais, mudanças na legislação e muitos outros fatores. Estes riscos não estão restritos a setores específicos, afetando desde indústrias manufatureiras até aquelas voltadas para serviços.

Como surgem os riscos operacionais na indústria?

Os riscos nas operações industriais surgem por meio de erros e falhas que envolvem os processos ou até circunstâncias externas à organização. Entenda alguns tipos!

Falhas de equipamentos

Máquinas e equipamentos desempenham um papel crucial nas operações industriais. Qualquer falha pode resultar em interrupções significativas, levando a atrasos na produção e perdas financeiras.

Erros humanos

A natureza complexa das operações industriais aumenta a probabilidade de erros humanos. Desde a programação de máquinas até a operação de processos, a intervenção humana é uma variável significativa, e equívocos podem ter consequências sérias.

Interrupções no fornecimento

A cadeia de suprimentos é uma parte vital da indústria. Interrupções no fornecimento de matéria-prima devido a eventos como desastres naturais, conflitos geopolíticos ou problemas logísticos podem prejudicar gravemente as operações.

Desastres naturais

Inundações, terremotos, incêndios e outros desastres naturais representam ameaças sérias para a indústria. Além dos danos físicos, esses eventos podem resultar em paralisação temporária ou permanente das operações.

Mudanças na legislação 

A evolução das regulamentações governamentais pode impactar as operações industriais. Empresas devem estar atentas às mudanças legais que possam afetar a conformidade e exigir ajustes em seus processos.

Quais são as consequências do risco operacional?

Agora que você já entendeu o que é o risco operacional e as suas principais causas, abordaremos a consequência de tais riscos para os negócios. Entenda algumas consequências!

  • Perda de produtividade: interrupções nas operações muitas vezes levam a uma diminuição na produtividade, causando atrasos na entrega de produtos e serviços.
  • Impacto financeiro: riscos operacionais podem resultar em custos adicionais, como reparos de equipamentos, substituição de estoques danificados e perda de receitas devido a paralisações.
  • Danos à reputação: incidentes operacionais, especialmente aqueles relacionados à segurança e qualidade do produto, podem abalar a confiança dos clientes e parceiros de negócios.
  • Riscos à segurança: Falhas em equipamentos, erros humanos ou desastres naturais podem representar riscos significativos à segurança dos trabalhadores e ao meio ambiente.

Que estratégias podem evitar o risco operacional?

Para evitar a ocorrência de um risco operacional, o seu negócio precisa investir em tecnologia e em capacitações para a gestão. Desse modo, é possível evitar as causas de incidentes que podem afetar negativamente a sua indústria. 

A seguir, veja algumas estratégias para evitar riscos operacionais!

Avaliação de riscos

Identificar e avaliar os riscos é o primeiro passo. Uma análise abrangente das operações permite à empresa entender as ameaças potenciais e desenvolver estratégias adequadas.

Implementação de sistemas de gestão

Utilização de tecnologias avançadas para monitorar continuamente as operações. Sensores, análise de dados em tempo real e sistemas de alerta precoce podem ajudar a detectar problemas antes que se tornem crises.

Treinamento e desenvolvimento

Investir em treinamento contínuo para a equipe é fundamental. Reduzir erros humanos por meio de educação e desenvolvimento de habilidades pode minimizar alguns dos riscos operacionais.

Diversificação da cadeia de suprimentos

Reduzir a dependência de um único fornecedor pode proteger contra interrupções no fornecimento. Portanto, uma cadeia de suprimentos diversificada é uma estratégia eficaz para mitigar riscos.

Planos de contingência 

Desenvolver planos detalhados de contingência para diferentes cenários de risco é essencial. Sendo assim, inclui ações específicas a serem tomadas em caso de falhas de equipamentos, desastres naturais ou outros eventos adversos.

Seguro de riscos operacionais 

Adquirir seguros específicos para riscos operacionais pode ser uma maneira eficaz de transferir parte do ônus financeiro associado a essas ameaças.

O ERP na prevenção ao risco operacional

O gerenciamento de riscos operacionais na indústria é uma tarefa complexa, exigindo uma abordagem abrangente e proativa. Empresas que reconhecem a importância de identificar, avaliar e mitigar esses riscos estão mais bem preparadas para enfrentar os desafios dinâmicos do ambiente industrial. 

Dessa forma, o investimento em sistemas de gestão empresarial, como o ERP, pode potencializar a segurança do seu negócio.

O Viasoft Korp ERP permite a centralização dos dados da sua empresa em uma só plataforma, com foco específico nos segmentos industriais. Assim, é possível visualizar os dados da organização em tempo real, permitindo aos gestores mais agilidade nas tomadas de decisão.

Para saber mais sobre a aplicação do ERP na indústria, leia estes outros artigos do blog Korp:

Cadastre-se em nossa newsletter

Please wait...

Obrigado por se inscrever!

COMPARTILHE

Publicado por:
Letícia Guimarães é professora, publicitária e mestre em Comunicação (UFPR).

ARTIGOS RELACIONADOS

Kaizen: o que é e como aplicar na indústria

24 de maio de 2024

Continuar lendo

Galvanização: o que é, tipos e etapas

22 de maio de 2024

Continuar lendo