A tecnologia low-code/no-code chegou para deixar os métodos tradicionais de desenvolvimento de softwares e apps para trás. O novo conceito de programação mostra-se mais intuitivo, simplificado e independente.

Na Era da Informação, a Transformação Digital tornou-se uma realidade dentro das empresas. Isso ocorre porque as organizações buscam atender o novo perfil de consumidor, então, aplicam cada vez mais a automatização e otimização de processos.

Entretanto, muitos recursos tradicionais pela limitação se tornam obstáculos para a inovação. Nesse momento, a experiência low-code/no-code entra em atividade, pois as ferramentas de desenvolvimento garantem que as tecnologias passem a programar aplicativos com facilidade. Tudo isso, por meio da automatização de processos.

O que é Low-code/no-code e quais são as diferenças entre as ferramentas?

Ambas partem da premissa de garantir a eficiência operacional, criando sistemas automatizados e rápidos. Para isso, há o aproveitamento de dados e criação de aplicativos com pouquíssimos recursos. Ou seja, a ideia principal é utilizar ferramentas visuais para construir aplicações de softwares, sem necessariamente escrever linhas de códigos.

Apesar de muitas pesssoas associarem esses 2 sistemas de desenvolvimento, existem algumas diferenças entre os termos. Confira, a seguir:

Low-code

Um tipo de desenvolvimento de aplicativos com criação rápida e com o mínimo de codificação manual. Esse modelo permite o trabalho de codificação sem a necessidade de conhecer a fundo a linguagem técnica em si. Isso ocorre porque o método caracteriza-se pelo desenvolvimento em baixa programação. Desse modo, possibilitando a criação de sistemas e aplicativos com um desenvolvimento básico.

O low-code também mostra-se como um método eficiente para desenvolvedores que procuram agilidade na hora de desenvolver aplicativos. Inclusive, esse é um dos grandes diferenciais da metodologia: tanto usuários de negócios, quanto desenvolvedores podem usá-la.

De forma ilustrativa, esse método é o processo de arrastar e soltar blocos visuais de códigos existentes em um fluxo de trabalho para criar aplicativos. Essa habilidade possibilita que desenvolvedores trabalhem de forma inteligente e rápida.

No-code

Enquanto isso, o no-code é a solução ideal para aqueles usuários que podem não entender nenhuma linguagem de programação. Essa plataforma de desenvolvimento não exige o uso de códigos, testes ou correções de bugs, sendo uma forma mais acessível e simplificada.

Em resumo, esse modelo tem base em guias visuais, nas quais o usuário pode escolher as aplicações, enquanto a ferramenta no-code traduz as ações em códigos. Ou seja, não é preciso se preocupar com a programação, deixando de lado a necessidade de um especialista para fazer o trabalho, já que a ferramenta gera o código automaticamente a partir das ações visuais que o usuário realiza.

Quando utilizar ferramentas low-code/no-code?

Apesar da praticidade oferecida pelas ferramentas de minimização de códigos, não são recomendadas para todas as demandas. Assim como qualquer projeto, as aplicações têm exigências e particularidades, e mesmo com as ferramentas low-code/no-code ganhando cada vez mais espaço, em algumas situações não é possível deixar a programação em códigos totalmente de lado.

Para softwares que exigem um trabalho complexo, recomenda-se outras metodologias mais robustas e complexas. Estas duas ferramentas são realmente uma ótima opção para o desenvolvimento rápido e simples de aplicações.

Por que esses métodos estão em alta e são uma tendência futura?

As ferramentas ganham destaque cada dia mais por atenderem uma necessidade em comum da maioria das empresas: funcionalidade e otimização de serviços. Com a chegada da pandemia, essas demandas passaram a ser ainda mais valorizadas, tornando o “investimento em tecnologia” uma das principais pautas do mercado.

Adotar estratégias tecnológicas como o low-code/no-code significa economia de tempo para criação de soluções em aplicativos e menor custo de desenvolvimento. Além disso, garantem a independência, pois esses modelos de programação não requerem um especialista em TI para criar as aplicações.

As exigências do futuro são: agilidade, praticidade e otimização. Sendo que, tudo isso, está no campo oferecido pelas ferramentas low-code/no-code.

Acompanhando esse progresso, a Viasoft Korp está constantemente investindo em técnicas e sistemas de desenvolvimento que garantam a entrega de tecnologias modernas e cada vez mais eficientes. Por isso, as metodologias low-code/no-code também são usadas estrategicamente em nossas soluções funcionais.

E aí, ficou alguma dúvida? Não esqueça de deixar sua opinião nos comentários!