A Análise SWOT é uma ferramenta tradicional da administração e tem como objetivo listar os pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças que afetam a empresa.

A sigla SWOT vem do inglês e significa: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças).

Um dos benefícios dessa análise é o apuramento rico em informações para que a indústria consiga organizar um plano de ação, a fim de minimizar os riscos e explorar as oportunidades futuras. Além disso, pode ser feita em pequenas, médias e grandes empresas.

Entenda a Análise SWOT

De modo geral, os fatores fortes e fracos estão relacionados com as situações internas da indústria. Enquanto que, os pontos de oportunidades e ameaças são derivados de fatores externos.

Forças (Strengths)

As forças estão relacionadas com os pontos fortes da indústria. Isto é, os atributos positivos que beneficiam a realização dos propósitos da empresa. Por exemplo: o reconhecimento nacional da marca, a qualidade do atendimento, o nível de capacitação e preparação do time de vendas, entre outros.

Fraquezas (Weaknesses)

Os pontos fracos têm relação com os atributos negativos ou dificuldades que prejudicam ou podem prejudicar a execução das ações. Veja alguns exemplos de fraquezas dentro das organizações: falta de organização de processos internos, déficit de mão de obra especializada, gestão desqualificada, falta de tecnologia adequada, etc.

Oportunidades (Opportunities)

As oportunidades têm ligação direta com o potencial de crescimento do negócio. Aliás, as oportunidades também indicam as perspectivas de avanço dentro do nicho. Exemplos: elevação do poder aquisitivo, queda de juros, lacunas encontradas nos produtos da concorrência, entre outros.

Ameaças (Threats)

São as características que precisam ser trabalhadas e que põem em risco a continuidade e o crescimento da indústria. Nesse sentido, se encaixam as situações de crises econômicas, falsificação dos seus produtos, criação de novas leis de tributação, etc.

Como montar a Análise SWOT da sua indústria?

O primeiro passo é definir os pontos fracos e fortes.

Nesse sentido, entenda todos os recursos e monte uma lista do que há de positivo dentro da indústria. Em seguida, verifique todos os recursos existentes para buscar os melhores resultados.

Da mesma forma que os pontos positivos precisam estar evidentes, os pontos negativos também devem ter um amplo detalhamento. Para isso, é necessário analisar os elementos que venham a ser danosos para o cumprimento dos objetivos.

Feito isso, é o momento de avaliar os elementos externos. Ou seja, os fatores que estão fora de controle, mas que devem ser acompanhados de perto. Esta análise vai desde a avaliação presencial no mercado, por exemplo: eventos, workshops e parcerias que acrescentam em matéria de experiência, até mediante tendências que agreguem valor à indústria.

Obs: a análise do mercado externo, ameaças e oportunidades merecem bastante atenção. Portanto, atente-se aos riscos, novos cenários, crises, perda de funcionários importantes, inovações que rompem os padrões no seu segmento de mercado, entre outras situações.

E aí, ficou com alguma dúvida ou tem sugestões? Envie-nos um recado nos comentários ou em nossas redes sociais. 🙂